Não estamos aqui…

17 novembro, 2008

Não estamos aqui. Visitem:

http://100resposta.blogspot.com/

Anúncios

Homens, masturbem-se…

19 janeiro, 2008

EJACULAÇÕES FREQÜENTES PODEM REDUZIR RISCO DE CÂNCER DE PRÓSTATA

Masturbação - blog 100 RESPOSTAS

Atividade sexual não causa câncer de próstata, e homens que ejaculam freqüentemente podem até estar se protegendo contra a doença, segundo um estudo conduzido por cientistas americanos.

A pesquisa contou com mais de 29 mil homens sadios e cobriu todo tipo de atividade sexual, incluindo masturbação e polução noturna. Os resultados confirmam um resultado obtido por um estudo menor, divulgado por cientistas na Austrália em 2003.

Havia uma desconfiança na comunidade médica de que a alta freqüência de atividade sexual pudesse aumentar o risco de câncer de próstata. A razão estaria numa produção exagerada do hormônio masculino testosterona, que poderia disparar o crescimento das células da próstata.

A nova pesquisa, feita por um grupo do Instituto Nacional do Câncer liderada por Michael Leitzmann, constatou que a freqüência da ejaculação não está relacionada a um risco aumentado. “Não há efeitos adversos. E níveis mais elevados de ejaculação parecem proteger homens do desenvolvimento de câncer de próstata”, disse o pesquisador.

O estudo sugeriu que ejaculações freqüentes podem reduzir a concentração de “carcinógenos químicos [substâncias que provocam a formação de tumores malignos] que se acumulam facilmente no fluido prostático” e podem reduzir o desenvolvimento de pequenos cristais “que foram associados ao câncer de próstata em alguns [casos]”.

O novo estudo foi publicado na “Jama” (jama. ama-assn.org), revista da Associação Médica Americana. Ele acompanhou homens de 40 a 75 anos na época em que a pesquisa foi iniciada, em 1986.

O estudo australiano teve um escopo bem menor, contando com a participação de 1.079 homens diagnosticados com câncer de próstata, comparados a outros 1.259 que não tinham a doença. Os resultados, entretanto, apontaram na mesma direção.

Leitzmann diz que agora as evidências são ainda mais fortes, porque seu estudo acompanhou os homens ao longo do tempo, em vez de pedir que se lembrassem da freqüência de ejaculação somente depois de terem sido diagnosticados com câncer.

………………………………………………………………………………………………………………….

Essa reportagem da folha on-line pode ser lida clicando aqui.

Clique aqui para ler também a reportagem original Frequent ejaculation may protect against cancer (texto em inglês) da revista NewScientist na qual Graham Giles, cientista australiano, fala:
“Although much more research remains to be done, the take home message is that ejaculation is not harmful, and very probably protective of prostatic health – and it feels good!”
(“Embora mais pesquisas precisem ser feitas, a mensagem que fica é que ejacular não é prejudicial à saúde, e que, provavelmente, protege a próstata – além de ser prazeroso!”).

Para ler sobre a pesquisa feita pelos cientistas australianos em 2003, clique aqui (texto em português) ou aqui (texto original em inglês).

___________________________________________________________________________

Anabolizantes valem a pena?

19 janeiro, 2008

Anabolizantes - blog 100 RESPOSTAS

O nosso corpo é responsável pela produção de certos hormônios muito parecidos com o hormônio masculino (testosterona). Estes precursores são chamados de “esteróides anabólicos”. A palavra “esteróide” vem do fato de todos estes hormônios terem a mesma estrutura química. A indústria farmacêutica, partindo desta estrutura química comum, sintetizou alguns fármacos que têm ação chamada anabolizante no corpo humano. O anabolizante, em termos mais simples, são produtos químicos que favorecem o desenvolvimento muscular, reduzem a quantidade de gordura e fortalecem os ossos. A palavra tem origem no anabolismo, que significa metabolismo positivo em contraposição com a situação chamada catabolismo, que se refere a metabolismo negativo.

O objetivo deste artigo é alertar para o perigo do uso abusivo de tais esteróides anabolizantes por adolescentes. Jovens, influenciados muitas vezes por amigos ou funcionários de academias de ginástica, que resolvem aumentar a massa muscular sem se preocuparem com os danos conseqüentes.

Ações variáveis dos esteróides anabólicos
Até pouco tempo era possível encontrar à venda vários esteróides anabólicos que eram usados por endocrinologistas e outros médicos para:
– Acelerar o crescimento de meninos
– Aumentar massa muscular em doentes crônicos
– Obter ganho de peso e apetite na convalescença
– Ajudar na recuperação da massa óssea

Os médicos sabem, porém, que esteróides anabólicos têm efeitos colaterais, entre eles o mais conhecido é o efeito androgênico, que leva a ações semelhantes a do hormônio masculino (testosterona). Esses esteróides podem aumentar o crescimento anormal de pêlos faciais, induzir acne e “engrossar” o timbre da voz. Por outro lado os esteróides anabólicos também podem se converter, normalmente, em nosso corpo, por meio de enzima chamada aromatase, em estrógeno, o principal hormônio feminino. Com a elevação do hormônio feminino surge, nos adolescentes do sexo masculino, o crescimento dos mamilos (podendo ter mamas como as meninas, fenômeno conhecido como ginecomastia).Estes efeitos colaterais são muito sérios e podem ser permanentes.

Efeitos secundários dos anabólicos:

Presentes nos rapazes
– Comportamento agressivo (“raiva esteróide”)
– Perda de cabelo (permanente)
– Testículos muito reduzidos (devido à atrofia)
– Produção menor de espermatozóides
– Ginecomastia
– Esterilidade
– Infertilidade

Presente nas meninas
– Timbre de voz masculina (permanente)
– Clitóris aumentado (permanente)
– Pêlos faciais
– Perda de cabelo
– Alterações menstruais
– Diminuição das mamas

Presentes em ambos os sexos
– Sintomas psicológicos (insônia, raiva descontrolada, irritabililidade)
– Pressão arterial elevada
– Alterações no fígado
– Coagulação do sangue alterada
– Aumenta o colesterol ‘ruim’
– Acne (muitas vezes severa)
– Dependência de anabólicos
– Alteração da libido

O perigo entre os adolescentes
Sabemos que nas últimas décadas houve uma explosão do número de academias de ginásticas nos grandes centros urbanos do país. É um fenômeno, em princípio, elogiável. Leva a vários segmentos da população a necessidade de se fazer exercícios, da prática cotidiana ou de regular a movimentação física, de aprimorar o corpo, diminuindo a gordura corporal e aumentando a massa muscular.

Como forma de tentar ajudar na obtenção de um corpo mais saudável, musculatura perfeita, capacitação física ideal, também surge a “prescrição” de produtos nutricionais (vitaminas, minerais, aminoácidos). Muitas vezes os profissionais dessas academias começam assim e em pouco tempo passam a recomendar (em muitos casos a fornecer) anabólicos, “pró-hormônio de crescimento”, e mesmo hormônios como testosterona, e hormônio de crescimento recombinado, isto é, obtido por processamento genético. Os médicos têm tomado conhecimento de fatos muito graves como, por exemplo, o uso de anabólicos esteróides para uso veterinário sendo usados para “queimar gorduras” e para “aumentar musculatura”.

É possível um corpo bonito e saudável
Essas práticas são criminosas e condenáveis e merecem uma ampla investigação por parte de nossas autoridades de Saúde Pública. Aos jovens, cuja vontade de ter um “corpo sarado” é mais forte do que o medo dos efeitos colaterais, é preciso fornecer orientação específica e detalhada sobre os múltiplos perigos desse tipo de automedicação. Também é importante levar aos adolescentes a alternativa saudável para que atinjam seus objetivos de maneira a não comprometer o corpo e a saúde. Sempre com um esquema nutricional adequado e treinamento físico bem orientado e freqüente.

___________________________________________________________________________

Tem alguma coisa pra falar?

19 janeiro, 2008

Comente no 100 RESPOSTAS

PERGUNTE, COMENTE, OPINE, SUGIRA TEMAS… ENFIM… POSTE O SEU COMENTÁRIO E AJUDE A MONTAR O BLOG.

SUA OPINIÃO É FUNDAMENTAL PARA A ESCOLHA DOS ASSUNTOS E DA ABORDAGEM DOS TEMAS NO NOSSO BLOG. FIQUE À VONTADE, DEIXE O SEU COMENTÁRIO NO ESPAÇO “O blog”.